Paternidade e Erotismo


O sexo faz bebés. Daí que seja irónico que a criança, personificação do amor do casal, ameace tantas vezes o romance que lhe deu existência. O sexo, que pôs toda essa operação em andamento, é muitas vezes abandonado assim que os filhos entram em cena. Muitos casais apontam a chegada do primeiro filho como o início do declínio da sua vida erótica. Por que motivo desfere a paternidade um golpe tão fatal?

A transição de dois para três é um dos desafios mais profundos com que um casal tem de lidar. Precisamos de tempo – e tempo medido em anos, não em semanas – para encontrar as nossas referências nesse admirável mundo novo. Ter um bebé é uma revolução psicológica que altera a nossa relação com quase tudo e quase todos, desde a amigos, pais e sogros. Os nossos corpos mudam. O mesmo acontece à nossa vida financeira e profissional. As prioridades alteram-se, os papéis são redefinidos, e o equilíbrio entre liberdade e responsabilidade conhece uma extensa reformulação. Apaixonamo-nos literalmente pelos nossos bebés e sabemos, já que em tempos o vivemos com os nossos parceiros, que a paixão é um estado absolutamente absorvente que empurra tudo o resto para segundo plano. Constituir família exige uma redistribuição de recursos e, durante uns tempos, parece restar pouco para o casal.

Mais cedo ou mais tarde a maioria de nós consegue voltar a reconhecer-se no seio deste novo contexto familiar. É nessa altura que o romance torna a fazer parte do tecido das nossas vidas. Lembramo-nos que o sexo é bom; que nos faz sentir bem e nos aproxima.

Enquanto alguns casais voltam a gravitar para junto um do outro, outros vagueiam por um caminho de mútuo afastamento. Recuperar a intimidade erótica nem sempre é fácil. A questão é que os pais de hoje, independentemente da classe a que pertencem, andam sobrecarregados de trabalho e sentem-se esmagados sob esse peso. Como consequência, deixam o sexo para segundo plano nas suas agendas, reservando-o para quando tiverem terminado de atender a solicitações mais prementes.

Os casais corajosos e determinados que mantêm uma relação erótica são, acima de tudo, aqueles que a valorizam. Quando sentem que o desejo está em crise, tornam-se zelosos e fazem tentativas francas e diligentes no sentido de o ressuscitar. Sabem que não são as crianças quem apaga a chama do desejo; são os adultos que deixam de saber mantê-la viva.

Adaptado de Perel (2008), “Amor e desejo na relação conjugal”


Natalia Bautista.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Contato

Rua Coronel Silva Leal nº 33-35 9500 -175, Ponta Delgada

180.acores@gmail.com

 

Tel: 296 284 410

Horário de contato das 09:00 às 18:00

180terapiasacores

É uma equipa privada do Centro de Terapia Familiar e Intervenção Sistémica

© 2019 by WyND

ctfislogo.png